segunda-feira, 9 de maio de 2011

A Oficina do Cego em residência no Atelier REAL/ Projecto Ghost





Cartaz de João Maio Pinto

RESIDÊNCIA NO ATELIER REAL| PROJECTO GHOST |
20 a 29 de Maio de 2011
no

Atelier Real
Rua Poço dos Negros nº55
1200-336 Lisboa
tel: (+351) 21 390 92 55
fax: (+351) 21 390 92 54

SINOPSE das intenções para a residência

A Oficina do Cego propõe fazer uma transferência da experiência oficinal ligada à edição e à divulgação de edições artísticas de pequena tiragem, com os seus materiais e as suas práticas colectivas de trabalho, para o contexto da residência artística.

Esta transferência, acreditamos, produzirá alterações em dois sentidos:
- A prática oficinal será alterada pela intensificação de encontros proporcionada pelo espaço da residência.
- A residência transforma-se numa pequena oficina editorial, sem perder a dimensão de espaço condensado de encontro, reflexão e experiência artística.

A circulação de pessoas, materiais e ideias ligadas à edição paralela, no contexto da residência, implica um plano aberto e relativamente indeterminado. Não temos um mapa com marcos de produção mas há trilhos que queremos percorrer:

a) Instalar uma oficina de criação de informação gráfica e impressão para desenvolver os propósitos editoriais da associação, esperando que a residência produza interferências positivas nos trabalhos em curso, nomeadamente na edição colectiva “Faca Romba – O Crime Ilustrado”, uma experiência gráfica que cruza o texto e a ilustração, com recurso a várias técnicas de impressão.
 
b) Convidar artistas no sentido de se instalarem no atelier durante a duração da residência, cruzando o seu trabalho com as actividades a desenvolver. Os artistas convidados para esta residência são André Lemos, Christina Chasnellie, Pedro Nora, Bruno Borges, Andrea Bruno (Itália) e Aleksander Zograf (Sérvia), este últimos em parceria com a Chili com Carne.

c) Promover debates à mesa de trabalho e/ ou de refeições, com pessoas e colectivos afins. Destes encontros poderão resultar propostas para edição ou mesmo conteúdos para futuras edições do jornal da associação.

d) Realizar uma conferência/ conversa aberta com programação mais objectiva, dedicada às questões da complementaridade entre imagem e texto.

e) Acolher eventos e proporcionar momentos de leitura, desenho, música e diálogo.

COMPONENTES DA RESIDÊNCIA:



Conferência/ conversa aberta: Texto e Imagem: Uniões de facto e mutações
(Coordenação geral – Pedro Moura)

Pequena apresentação teórico-histórica sobre o advento e diferenciação da imagem e do texto, passando por algumas experiências em que elas se cruzam, sobretudo buscando formas de contaminação mútua ou miscigenação, com uma inclinação particular para obras ilustradas, livros de artista, edição independente, e alguns dos territórios nos quais a Oficina do Cego trabalha ou deseja trabalhar. 
Organização de um grupo de trabalho ou mapa de sugestões para futuras acções de desenvolvimento e base de dados da Oficina do Cego, partilhável publicamente.  


Oficina de impressão
(coordenação geral – António Coelho)

Durante a residência a Oficina do Cego disponibiliza e assiste aos variados trabalhos e iniciativas de criação de informação e impressão, nas seguintes técnicas: Serigrafia, Linogravura, Stencil e Tipografia. Vários artistas convidados farão uso desta oficina.

Faca Romba – O Crime Ilustrado
(Coordenação geral – José Feitor)

Publicação de autoria colectiva que envolve ilustração e textos curtos de diferentes naturezas. Volume compósito explorando um tema suficientemente aberto para permitir várias abordagens gráficas e literárias. Na sua execução serão usados diferentes suportes e técnicas de impressão. Trata-se de um livro com carga artesanal, destinado a tornar-se um item único e limitado. Ao longo da residência vários artistas serão convidados a criar e imprimir imagens para a publicação, assim como serão asseguradas partes da produção.


Debates à mesa / Jantares
(Coordenação geral – Luís Henriques)

Durante os fins-de-semana do período da residência, à sexta e/ou sábado, a Oficina do Cego oferece jantar a grupos diversificados de cerca de dez a quinze convidados; os jantares têm como objectivo abordar informalmente temas relacionados com auto-edição e edição gráfica de pequena tiragem e potenciar parcerias de diferentes naturezas. O manto largo das artes editoriais propiciará a oportunidade de juntar à mesa artistas gráficos, técnicos de impressão, editores de fanzines, poetas, editores de poesia, criadores de livros de artista, livreiros de pequena escala, coleccionadores, investigadores, etc. O encontro começa com a preparação da refeição, estende-se à mesa e acaba quando acabar. Depois do jantar, o grupo pode alargar-se aos associados da Oficina do Cego e membros da REAL.

2 comentários:

andré disse...

Boa tarde.
Estes acontecimentos terão lugar concretamente na Ofícina?

É preciso comprar alguma espécie de bilhete?

Agradecia uma resposta.
Obrigado.
Andrev87

oficina do cego disse...

Olá André

Tudo terá lugar no Atelier Real
Rua Poço dos Negros nº55
1200-336 Lisboa

Não há bilhetes. A residência tem momentos públicos e momentos reservados. Basta consultar o programa que está sob este post.

Publicar um comentário